(Resenha) O Substituto

Humor inteligente, muito sarcarsmo e nenhum final feliz. A vida como é. É assim que David Nicholls escreve e – lógico – os leitores já viram que é bom.

substituto-davidnicholls

O Substituto conta a história de Stephen C. McQueen, um ator cuja carreira nunca decolou. Ele vive de papéis secundários, sempre esperando pela grande chance que há de revelar o grande talento que tem.

Quando consegue o lugar de substituto de Josh Harper, o 12o. Homem Mais Sexy do Mundo, para quem a vida de ator era com muito dinheiro, e mulheres a seus pés, Stephen pensa que finalmente vai dar uma guinada na sua vida e sua carreira.

No livro, David Nicholls passeia pela vida desses dois homens, contando suas frustrações e seus desejos.  Mostra de forma crua e bem humorada, a difícil vida dos atores que procuram seu lugar ao sol através da vida de Stephen que acabou sendo destruída pelo amor à arte: seu casamento acabou; não tem o respeito de sua filha; mora e um estúdio que nem ao menos tem uma geladeira; e, para coroar tudo isso, ainda se apaixona pela mulher do 12o. Homem Mais Sexy do Mundo.

Ao mesmo tempo, é apresentada a vida que alguns podem considerar vazia de Josh Harper, com os anseios e preocupações que a fama traz. O desejo de manter seu casamento com a mulher que ama contra a vontade de satisfazer seus instintos sexuais com as mulheres estranhas que diariamente se oferecem a ele. Afinal, ele é Josh Harper: ele é famoso, e bonito e rico. Por que não pode ter as duas coisas?

O livro traz muitas referências cinematográficas e é altamente recomendado para qualquer cinéfilo.

Dica do LeVo

Entender as referências cinematográficas faz com que a  história fique muito, muito, muito melhor por isso, se você não é do tipo que conhece os atores, os filmes, a história do cinema e quer tirar tudo o que o livro tem pra oferecer: google na sua leitura.

Ficha Técnica:
Título:
O Substituto
Título Original: The Understudy
Autor: David Nicholls
Tradução: Claudio Carina
Editora: Intrinseca
Ano: 2013

Leia também: Um dia: David Nicholls

(Resenha) Diários do Vampiro–Reunião Sombria

*********************** ALERTA DE SPOILER *****************************
A resenha contém informações sobre o enredo qualquer um que não tenha lido os três primeiros volumes da série.

reuniao-sombria

Após a morte de Elena, os irmãos Damon e Stephan deixaram Fell’s Church e, quando todos imaginavam que todos os casos sombrios que assombravam os habitantes da pequena cidade tivessem terminado, uma força antiga se manifesta.

Utilizado seus poderes paranormais e um ritual antigo, Bonnie convocou Stephan e Damon para ajudar a combater esse mal.

É uma história melhor do que A Fúria. Mesmo que os eventos não sejam muito bem explicados, é um livro com muito sobrenatural. Tem também aquela combinação de sucesso vampiro x lobisomens x adolescentes.

comentei anteriormente sobre as semelhanças entre a história de L.J. Smith e Crepúsculo de Stephanie Meyer. Em Reunião Sombria essas semelhanças voltam a se acentuar e novamente se percebe o talento de Smith como escritora contra o talento de Meyer na criação dos personagens.

Reunião Sombria é uma história relamente boa. Curta. Precisa. E com muito sobrenatural. Tanto que fica até difícil de “engolir” algumas coisas mas, hey, é ficção então vale tudo.

Ficha Técnica:
Título: Diários do Vampiro – Reunião Sombria
Título Original: Dark reunion
Autor: L.J. Smith
Tradução: Ryta Vinagre
Editora: Record / Galera
Ano: 2012

Leia também:

Diários de Vampiro

(Resenha) Diários de Vampiro - A Fúria

(Resenha) Diários do Vampiro–A Fúria

***************** ALERTA DE SPOILER **********************
A resenha contém informações sobre o enredo qualquer um que não tenha lido os dois primeiros volumes da série.

Diários do vampiro - A fúria

Neste volume, o leitor ficará sabendo como foi a transformação de Elena em vampiro. Quais foram as consequências dessa transformação e como ficou a “vida” da vampira Elena.

Ao mesmo tempo em que Elena se acostuma com suas novas sensações e poderes, e a nova fome por sangue humano, um Poder invisível começa a agir sobre a cidade.

Neste volume, os conflitos resultantes do trio amoroso constituído por Stephan, Damon e Elena são bastante evidenciados. A boa notícia é que Elena faz sua escolha, afinal, e ajuda a selar um pacto de paz entre os dois irmãos.

Os poderes paranormais de Bonnie são muito melhor explorados neste volume. A história é boa, no geral, sem nada excepcional mas dá uma boa distração.

Recomendado para quem gosta de uma leitura recreativa de fácil entendimento e também pra quem é ligado em rituais de magia e lendas em geral. 

Ficha Técnica:
Título: Diários do Vampiro – A Fúria
Título original: The Fury
Autor: J.L. Smith
Tradução: Ryta Vinagre
Editora: Galera/Record
Ano: 2012

Leia também: Diários de Vampiro

(Resenha) O Reverso do Destino

O Reverso do Destino é um suspense policial cheio de reviravoltas e de surpresas. Em seu segundo livro, Fernanda Borges definitivamente mostra que é uma escritora de talento e que ainda tem muito a oferecer.

O_REVERSO_DO_DESTINO_1364746536P

O LeVo teve o prazer de ler, em primeira mão (ou pelo menos na mesma remessa que a primeira mão), o novo romance de Fernanda Borges: O Reverso do Destino.

O livro conta a história de Laura, uma mulher bonita que, em parceria com o namorado Leonardo, resolve conseguir emprego na casa de uma família rica – os Lutz - com o propósito de fazer um roubo.

Não demora muito pra ela perceber que aquele roubo não vai ser tão fácil de ser feito e que tem alguma coisa muito errada com aquela família.

Em poucos capítulos, Fernanda Borges nos apresenta uma história com tráfico de mulheres, assassinato, sequestro, uma diversidade cultural e religiosa deliciosas e muita, muita, muita ação.

Eu digo “em poucos capítulos” porque a escritora atira tudo isso pra cima da gente muito rápido, sem preliminares.

E é ÓTIMO.

É ótimo porque deixa as ideias do leitor fervilhando pensando em o que mais será que pode acontecer nessa história ainda; e, é ótimo porque, realmente, ela consegue fazer acontecer muito mais coisas no desenrolar da história.

A gente aqui do blogue leu uma versão em PDF, por isso eu não sei dizer quantas páginas terá o livro mas posso dizer que li as 400 páginas do PDF num fôlego só. E essa é a melhor medida que se pode ter sobre a qualidade de uma história.

Daí, na hora de fazer a resenha, eu travei. A história tem tanta ação que fica difícil contar qualquer coisa sem que seja um grande spoiler. A cada novo capítulo há uma nova supresa pra deixar o leitor tipo assim: EmoticonSurpresa

Então, é bem assim que vou resenhar O Reverso do Destino. Sem palavras. Porque elas me faltaram.

Betti lendo O Reverso do Destino

EmoticonWowEmoticonAssustadoEmoticonLágrimasdeAlegriaEmoticonMeuDeusEmoticonWhatEmoticonRaivoso

 

O que o livro tem de bom

  • Mais uma vez, Fernanda Borges mostra como é boa na construção dos diálogos. As conversas entre os personagens são delíciosas de se ler.
  • Quem leu Orgasmos Fatais poderá reencontrar o inspetor Douglas, o delegado Mauro e mais algumas surpresinhas durante a leitura de O Reverso do Destino.
  • Muita, muita, muita ação.
  • Notas de rodapé para não deixar o leitor boiando, principalmente com relação às gírias e termos técnicos.

O Reverso do Destino X Orgasmos Fatais

O bacana dos livros policias é o mesmo que dos filmes de ação: você já viu todos mas nunca se cansa deles.

Daí o nobre leitor deste blogue pergunta: “Mas então, Betti, Orgamos Fatais e o Reverso têm histórias parecidas?”

De jeito nenhum. São enredos totalmente diferentes mas ambos têm a polícia atrás do bandido como em qualquer romance policial que valha ser chamado assim.

A escritora aprimorou o estilo de narrativa que essa blogueira aqui criticou anteriormente dizendo que se parecia com um B.O. gigantesco. A prosa está muito mais fluida, mais coloquial, nesse romance. Em alguns trechos ainda se vê bastante do juridiquês que marcou Orgasmos Fatais mas, no geral, tá muito mais fácil de ler.

Dica do LeVo e da autora Fernanda Borges

Se você pretende ler Orgamos Fatais, o faça antes de ler o Reverso do Destino.

A trama de O Reverso traz um spoiler gigantesco do desfecho da trama de Orgasmos Fatais.

O Reverso do Destino ainda não tem data prevista para lançamento mas, os interessados poderão saber quando estará a venda pelo perfil no Facebook da autora e também aqui pelo LeVo.

Ficha Técnica:
Título:
O Reverso do Destino
Autor: Fernanda Borges
Editora: Biblioteca 24Horas
Ano: 2013

Leia também: (Resenha) Orgasmos Fatais

(Resenha) Morte Súbita

O que você faz quando não tem ninguém te olhando? Todo mundo tem um segredo, um preconceito, uma ponta de hipocrisia presa na alma. Qual é o seu?

morte-subita

Na pequena Pagford, em certo domingo à tarde, Barry Fairbrother está ocupado demais com seu trabalho para lembrar do aniversário de casamento; de conversar com sua esposa; ou mesmo pra prestar atenção àquela persistente dor de cabeça que o tem incomodado há mais de um dia.

Barry não passou daquele domingo. Teve aneurisma e morreu subitamente, no estacionamento do clube onde tinha levado sua esposa Mary para jantar.

A partir da morte repentina de Barry Fairbrother, e do impacto que isso teve sobre os habitantes de Pagford, começa-se a contar a história do dia a dia na pequena cidade.

O que esperar de Morte Súbita:

Morte Súbita não é aquele tipo de história que tem um personagem principal e que terá um final feliz. De fato, Morte Súbita nem mesmo tem um final propriamente dito.

O livro foi feito como um diário de uma cidade pequena e conta não uma, mas muitas histórias sobre seus habitantes. Foi delicioso ver uma gama tão diversificada de personalidades, de manias, de doenças, e de psicoses passeando pelas páginas de uma mesma publicação.

Sem fazer qualquer tipo de julgamento e com uma pitadinha de humor muito negro, a autora apresenta seus personagens ao leitor de dentro pra fora explicando primeiro o que se passa em suas cabeças e, depois, como eles realmente agem no convívio social uns com os outros.

Em Pagford o leitor poderá conhecer o casal de meia idade cuja mulher está entediada com sua vida; a mãe solteira que abandonou emprego e saiu no mundo atrás de um grande amor; o solteirão convicto que está sempre idealizando uma parceira ou uma vida mas no fundo não sabe o que quer; a periguete que pega todo mundo; o chefe de família violento que espanca mulher e filhos; o bad boy; o nerd; a patricinha… E, de todos eles, há uma história pra contar. Dentro da cabeça de cada um deles J.K. permite ao leitor entrar e explorar suas vaidades, seus segredos, seus medos, sua moral, suas epifanias, suas vontades e seu desespero.

mortesubita2

 

Dicas do LeVo

  • Esqueça que J.K. Rowling é a autora de Harry Potter. Faça de conta que é um outro escritor qualquer e comece sua leitura de mente aberta.
  • Não compre o livro para o seu filho de 12 anos. De novo: não é Harry Potter. Trata-se de uma publicação para adultos e contém palavrões e cenas de violência, sexo e abuso de drogas.
  • A história tem muitos personagens, muitos mesmo, alguns até com os nomes bem parecidos e, por isso, o começo da leitura pode confundir um pouco o leitor. A dica é: comece a leitura em um lugar tranquilo. Vai levar apenas umas poucas páginas para se familiarizar com os diferentes nomes e famílias.

 

Meu segredinho

Durante a leitura me envolvi tanto com determinados personagens que quase pude sentir dentro de mim seu desespero. Tanto que, ao final do livro, quando percebi que não haveria nenhum evento cármico que gerasse uma grande transformação na vida deles, apenas a vida que segue dia após dia, eu chorei. Chorei convulsivamente e lamentei por aquelas vidas que nem mesmo existem.

Moral da história: o livro o bom demais.

 

Ficha Técnica:
Título: Morte Súbita
Título Original: The casual vacancy
Autor: J.K. Rowling
Tradução: Izabel Aleixo; Maria Helena Rouanet
Editora: Nova Fronteira
Ano: 2012

Votação para Codex de Ouro 2013 começou

codex2013

O Ponto do Autor abriu votação para a categoria Vox Populi da II Edição do Codex de Ouro. Os leitores poderão escolher autor e título.

Pode-se votar apenas uma vez por e-mail mas, pra quem clicar no lugar errado e quiser votar de novo o site substitui o voto enviado anteriormente por outro.

A votação vai de 15/11/2013 até 06/12/2013.

Corre lá e vota no seu autor favorito ou naquele livro que você amou ler, clicando aqui ou no selo da Edição 2013 lá em cima.

(Resenha) O Palácio da Meia–Noite

Dois gêmeos separados logo após o nascimento. Cada um ficou com a metade de um medalhão para que pudessem se reencontrar no futuro. História batida? Dramalhão mexicano? Sob o fraseado habilidoso de Zafón é uma fábula fantástica cheia de suspense, terror e, é claro, loucura.

Capa O palacio da meia-noite.indd

A gente aqui do LeVo já é fã declarado, de carteirinha e com testemunho juramentado no dedinho de Carlos Ruiz Zafón. O autor é meio que o nosso chocolate: até quando é ruim, é bom.  Por isso, se você leitor deste blog procura uma resenha imparcial, abandone este texto agora.

O Palácio da Meia-Noite é uma aventura maravilhosa que conta a história de Been e Sheere, dois gêmeos separados logo depois do nascimento para que não fossem perseguidos pelo assassino de seus pais.

Ben foi criado em um orfanato, onde teve alguns amigos e fez parte de um grupo formado por ele e outros seis órfãos chamado Chowbar Society. De acordo com o “estatuto” do grupo, o problema de um era o problema de todos, assim cada um tinha a obrigação de cuidar e de proteger todos os outros. A Chowbar Society se reunia em um casarão em ruinas carinhosamente apelidado de Palácio da Meia-Noite.

Sheere ficou com a avó que, para fugir do perseguidor de seus netos, a levou a viajar pelo mundo todo sem ter oportunidade de fazer amigos ou mesmo de ter uma moradia em que se fixar. Sheere teve uma vida de medo, apenas intuindo que fugia de alguma coisa, sem que – entretanto – sua avó tenha lhe contado a verdade algum dia.

No dia em que completaram 16 anos (a maioridade na Índia) os dois gêmeos tiveram conhecimento da existência um do outro bem como do fato de que suas almas estavam condenadas a pertencer a outra pessoa.

A história toda se passa em Calcutá e começa em 1916 com um homem correndo no meio da noite, pelas ruas de Calcutá, tentando se esconder do inimigo invisível e carregando consigo os gêmeos Ben e Sheere a fim de salvar suas vidas.

Qualquer um que leia as primeiras páginas do relato automaticamente é transportado para o cenário, como se visse tudo acontecendo em uma tela grande, como no cinema. O texto é tão perfeito que se consegue imaginar o barulho que os pés fazem ao bater no chão lamacento e a respiração ofegante do homem que carrega os bebês.

Trilogia da Névoa

O Palácio da Meia-Noite, é parte da chamada Trilogia da Névoa, junto com Marina e O Prisioneiro do Céu. Os livros não têm relação entre si, são histórias diferentes mas têm em comum o fato de serem dirigidas a um público mais juvenil e foram escritos no início da carreira de Zafón, como ele mesmo esclarece no começo da publicação.

O estilo Zafón

Como já foi dito, O Palácio da Meia-Noite, foi escrito por Zafón no início de sua carreira, quando ainda não tinha tanta habilidade. Agora, com a fama, resolveu republicar seus primeiros escritos.

Temos que admitir que O Palácio não tem a mesma fluidez e não provoca a mesma paixão que A Sombra do Vento, ainda assim já se percebe ali o talento e todos os elementos característicos que o tornariam um autor famoso: a fantasia ou o sobrenatural; a amizade profunda e verdadeira que os personagens conseguem nutrir um pelo outro; e, a loucura.

É absurdamente fascinante o modo como os distúrbios mentais humanos conseguem ser retratados nos livros de Zafón. É o principal elemento de suas histórias.

No começo, imaginei que a loucura de seus personagens viesse do sobrenatural com que eram obrigados a conviver mas, de fato, o sobrenatural não passa de delírio da mente perturbada dos entes que habitam esses mundos criados por Zafón. Assim, não é a loucura consequência do sobrenatural mas sim, o sobrenatural consequência da loucura.

Ficha Técnica:
Título: O Palácio da Meia-Noite
Título Original: El Palacio de la Medianoche
Tradução: Eliana Aguiar
Editora: Objetiva / Suma de Letras
Ano: 2013

(Resenha) Orgasmos Fatais

Orgamos Fatais, candidato ao Codex de Ouro 2013 na categoria suspense,  é um romance delicioso. Fernanda Borges, em seu primeiro livro, já mostra a que veio.

OrgamosFataisMary Alves encontra sua filha, Mariana, agonizando no sofá da sala depois de levar várias facadas no tórax. Desesperada, Mary gritou por ajuda mas, somente teve tempo de escutar as últimas palavras da filha: “Foi ela, foi ela.”.

Durante a investigação desse assassinato, o Inspetor Dougas, designado para investigar o caso, acaba conhecendo Daniela.

Daniela é linda, loura, poderosa e policial civil também – como Douglas. A partir desse ponto, Douglas trava uma batalha com ele mesmo: uma parte dele quer Daniela e por isso precisa acreditar que ela é inocente; outra parte, a profissional, sabe que se envolver com um suspeito é altamente errado.

Partindo dessa atração que policial e suspeita têm um pelo outro, uma série de acontecimentos se desenrola e a trama fica muito, muito interessante. De fato, em certos momentos fica muito difícil de saber quem é bom ou mau, quem cumpre a lei e quem não. Certo e errado se enredam de tal maneira que fica difícil saber quando acaba um e começa outro.

O que o livro tem de bom:

  • A trama é muito bem pensada e a escritora domina a técnica de fazer suspense. Sabe exatamente a hora em que deve mudar de assunto pra manter o leitor curioso sobre o desenrolar de um evento.
  • Os diálogos são rápidos, e muito bem escritos.

O que não é tão bom:

A narrativa poderia ser mais coloquial.

O uso de palavras como genitora ao invés de mãe e de expressões como “a(o) mesma(o)”  ou “este(a)” pra se referir a um sujeito comprometem a narrativa e dão a impressão, ao leitor, de que se está lendo um B.O.ou uma daquelas declarações feitas em cartório.

Pra quem nunca leu um B.O. vou dar um exemplo do que digo com um trecho da página 50 do livro: “… disse ele, dando um sorriso simpático para Daniela. Esta permanecia aparentemente calma…”

O que esperar do livro:

A trama é realmente muito boa, e cheia de reviravoltas. O texto tem alguns problemas de revisão e de diagramação, coisa muito comum em produções independentes mas nada que prejudique o andamento da história.

Eu mesma já peguei absurdos como “chícara” e “sinto de segurança” em publicações da Suma de Letras e da Intrinseca então, pessoalmente, acho que Orgasmos Fatais mandou muito bem.

A ambiguidade ou dualidade dos personagens também me agradou muito. Sobretudo com relação ao herói da história. Douglas não é aquele homem perfeito, profissional irrepreensível que alguns autores teriam apresentado. É um homem tão cheio de defeitos quanto de virtudes. De fato, em alguns capítulos eu me peguei questionando o caráter e o profissionalismo dele. É um anti-herói.

O texto também carrega duras críticas ao sistema de comando e ao funcionamento organizacional da Polícia Civil do Rio de Janeiro. Pareceu que, às vezes, pra um crime ser resolvido, é preciso um cavaleiro solitário que se disponha a trabalhar sem apoio e sem suporte.

Vale a pena ler Orgasmos Fatais?

A gente aqui no LeVo lê de tudo, sem preconceito e, quem já leu a sessão Quem Somos do blog lembra que pra gente, não existe livro bom ou ruim. O que gostamos mesmo é de uma boa história.

Mas, é claro, que temos nossos julgamentos pessoais, e eu tenho um método muito particular pra decidir se eu acho um livro bom ou não.

Pra mim, um livro é bom quando: ou eu sonho com a história dele, mesmo que seja acordada; ou eu não consigo parar de ler até ver o final.

Orgasmos Fatais entrou na minha pele antes do fim do segundo capítulo. Esse foi o tempo que eu precisei pra me acostumar com o estilo da narrativa e mergulhar de cabeça na história. Depois disso, só sosseguei quando cheguei ao final da história.

Dica do LeVo: a autora Fernanda Borges está no Facebook , por isso, aconselhamos fortemente aos interessados manter contato antes que ela fique famosa. A gente por aqui tem certeza que, com um bom editor, essa mulher vai dar muito o que falar ainda.

(Resenha) O Jogo do Anjo

O Jogo do Anjo é mais um dos livros que passeia pelo Cemitério dos Livros Esquecidos, criado por Zafón.

O Jogo Do AnjoDavid Martin nasceu em uma família muito pobre. Sua mãe o abandonou muito cedo, deixando-o aos cuidados do pai que tinha acabado de voltar da guerra.

Sem conseguir emprego, o pai de David roubava para sustentar o filho e se drogava para afogar as mágoas. Como era analfabeto, não permitia ao filho o prazer da leitura, por isso David costumava ler escondido e seu refúgio era a Livraria Sempere.

Quando finalmente começou a se entender com o pai, David o viu ser assassinado a tiros em plena luz do dia. Sem ter para onde ir ou a quem recorrer, David foi acolhido em uma redação de jornal onde pôde dormir, comer e ler sem medo de censura.

Quando finalmente teve sua chance como escritor no jornal acabou perdendo todos aqueles a quem julgava amigos por causa da inveja que sentiam de seu talento.

Foi demitido do jornal por pressão dos colegas de trabalho, arranjou outro emprego, e, quando parecia que tudo ia bem na sua vida, um exame médico revelou um carcinoma cerebral que poderia matá-lo a qualquer momento.

Batman chorando

Resumindo: a história de vida de David Martin faria Batman chorar como uma garotinha.

Enfim, Martin chegou às portas do desespero e resolveu desistir de tudo, quando conheceu um editor francês que pediu ao escritor nada mais nem menos do que uma nova religião.

A partir daí a história de David se desenrola de maneira que, muitas vezes, ele próprio chega a duvidar de sua sanidade.

Em o Jogo do Anjo, Zafón trabalha com os elementos que já conhece e que fizeram sucesso em A Sombra do Vento: o amor, a amizade, a loucura e a guerra.

Além disso, nos dá um vislumbre de como se formou a família de Daniel Sempere, de como seus pais se conheceram.

Zafón é o criador de um dos meus personagens preferidos na literatura que é Fermin Romero de Torres que me foi apresentado em A Sombra do Vento. Pensei que sentiria sua falta no livro mas, David Martin é um personagem muito bem construído também.

Pra quem ainda não leu O Prisioneiro do Céu, vale saber que o título do livro se refere exatamente a David Martin.

Quem pretende ler todos os livros que se entrecruzam no Cemitério dos Livros Esquecidos, a sugestão do LeVo é que leiam na seguinte ordem: O Jogo do Anjo, A Sombra do Vento e, O Prisioneiro do Céu.

Ficha Técnica:
Título: O Jogo do Anjo
Título Original: El juego del Ángel
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Tradução: Eliana Aguiar
Editora: Suma de Letras
Ano: 2008

Leia também:

(Resenha) O Prisioneiro do Céu

(Resenha) A Sombra do Vento

(Resenha) A Batalha do Apocalipse - da Queda dos Anjos ao Crepúsculo do Mundo

Um anjo renegado e um querubim duelando até a morte sobre a ponte Rio – Niterói. Ou, talvez, uma feiticeira imortal e um anjo caído conversando à sombra do Cristo Redentor. Literatura fantástica e brasileira. Que tal?

Livro A Batalha do ApocalipseYahweh, o Deus supremo do Universo, criou o mundo e, no final do sexto dia adormeceu. Durante o sétimo dia, enquanto descansava, deixou o comando do mundo e a guarda do Livro da Vida, nas mãos dos arcanjos que são a mais alta hierarquia dos anjos.

No entanto Miguel, líder dos arcanjos, tem inveja dos humanos porque Yahweh lhes deu o livre arbítrio, uma graça que não concedeu nem aos anjos e que permite aos seres humanos ter o poder de decisão sobre suas vidas tal qual Yahweh tem sobre a vida dos anjos.

Assim, Miguel resolveu que a raça humana precisava ser destruída, antes que o sétimo dia terminasse.

Hecatombe após hecatombe, Miguel tentou por diversas vezes destruir os humanos mas sempre era derrotado pelas circunstâncias ou por causa da ajuda de anjos que simpatizavam com a causa humana até o dia que houve uma rebelião no céu. Miguel saiu vitorioso e vários anjos foram banidos para a terra pra viver entre os humanos.

A partir desse ponto, Eduardo Spohr leva o leitor a uma viagem fantástica inserindo seus personagens em momentos da história, numa mistura de ficção e realidade muito cativante.

O que o livro tem de muito bom:

  • A gente aqui do LeVo achou uma delícia ler ficção fantástica em cenários brasileiros. A visualização das cenas ficou perfeita é como se estivesse acontecendo ali do lado, como se fosse realmente possível que dois anjos estivessem duelando até a morte sobre uma ponte.
  • As cenas de ação são simplesmente – não consigo pensar em uma palavra melhor – épicas.
  • A atenção que o autor deu aos detalhes chegando ao extremo de organizar uma Linha do Tempo no final do volume para contextualizar o leitor.
  • Em alguns trechos parece que o leitor está no meio de um jogo de RPG muito louco.

O que não é tão bom:

  • A verborragia. Muita informação. Como se o autor quisesse atirar todo o conhecimento acumulado em um único livro. O passeio histórico foi divertido mas, em alguns momentos, atrasou a história e, ao invés de aumentar o suspense, acabou tornando a leitura maçante.
  • A grandiloquência. O palavreado pomposo e extravagante, em alguns trechos, deu a impressão de estarmos lendo uma sentença judicial.

Dica LeVo: o livro conta com um Glossário ao final da história. Use-o tão logo comece a leitura.

Altamente recomendado pra quem curte literatura fantástica, história, RPG e toda essa coisa NERD que tá suuuuper na moda.

Contra indicado para quem prefere histórias com ritmo rápido ou que sejam sensíveis ao que alguns poderiam chamar de heresia. Smiley piscando

Eduardo Spohr escrevendo literatura brasileira e FANTÁSTICA!

 

Ah, mais um aviso: A Batalha do Apocalipse é uma obra de ficção e, por melhor estruturada e bem escrita que seja, tenham em mente: é tudo mentirinha, gente!

 

Ficha Técnica:
Título:
A Batalha do Apocalipse
Autor: Eduardo Spohr
Editora: Verus
Ano: 2010

Editora Bateia receberá originais até 31/07

Para abrir portas para os escritores brasileiros, a Editora receberá manuscritos inéditos, de autores nacionais, até 31/Julho/2013.
Nunca ouviu falar na Editora Bateia? susto1
A Bateia é uma Editora novinha em folha. Se estabeleceu em São Paulo em 2012 e começa a editorar somente no segundo semestre deste ano.
E, pra começar seus trabalhos com chave de ouro, a Editora lançou a campanha “Originais na Bateia” onde vai receber originais inéditos de autores nacionais para publicação em 2014.

O que você precisa saber antes de mandar seu original

  • :Os originais deverão ser enviados até dia 31/07/2013
  • O envio deve ser feito somente por PDF para o  e-mail originaisnabateia@gmail.com
  • A seleção começa somente depois de terminado o prazo de recebimento dos originais;
  • Os trabalhos devem ser inéditos;
  • Serão aceitos trabalhos em contos e romances com temática livre;
  • O original não precisa ter pseudônimo, a não ser que seja vontade do autor informar um;
  • O resultado será anunciado em dezembro de 2013.

 

Autores Nacionais X Autores Estrangeiros na Bateia

Segundo o jornal de literatura Rascunho, da Gazeta do Povo, a editora já fechou contrato com autores estrangeiros para publicação de seis obras em 2014: Nostalgia, de Mircea Cartarescu; Carta, de Tomas Espedal; Caireles, de Alfredo Fonticelli; O Boxeador Polonês, de Eduardo Halfon; Um Ano, de Juan Emar e Lendo Vila-Matas, de Gonzalo Maier, os quais estão e fase de tradução.
O projeto gráfico será o mesmo, tanto para autores nacionais quanto internacionais. O que diferenciará a publicação brasileira da publicação de autor estrangeiro será um selo na capa: Versão Brasileira, pra autores estrangeiros, ou, Versão Original, para autores nacionais.
Quem gostou, levanta a mão. o/
Tira aquele original da gaveta, revisa, pede pra alguém ler e se joga, escritor.
Editora nova que entra no mercado apoiando a literatura nacional: O Leitor Voraz aprova.
carimbo de aprovado

(Resenha) O Príncipe da Névoa

O Príncipe da Névoa foi escrito por Carlos Ruiz Zafón, por isso eu já sabia que seria bom.

O Príncipe da Névoa ZafonComo todo leitor, eu tenho um ritual antes de começar a ler um livro: eu primeiro leio a orelha e a contracapa pra saber do que se trata o livro e assim decidir se é o tipo de história que quero ler naquele momento.

Em se tratando de Carlos Ruiz Zafón, entretanto, eu não faço isso nem pra adquirir o livro mais. Se leva o nome do escritor eu leio. Ponto.

Penso que não sou a única já que a Suma de Letras, espertamente, padronizou as capas dos livro de Zafón com uma faixa vermelha na parte superior com os dizeres “do autor de A Sombra do Vento”.

A História

Max Carver, um adolescente de 13 anos, se muda com a família para o litoral.

Já no dia seguinte à mudança de sua família, Max faz um novo amigo: Roland. Um pouco mais velho que Max, Roland está curtindo os últimos meses de liberdade já que está prestes a ser enviado para a guerra.

Como é um adolescente extremamente perceptivo, Max logo percebe que tem alguma coisa errada com a casa para onde se mudaram, mesmo que não sabia precisar exatamente o que é. Ao conversar com sua irmã, descobriu que ela andou tendo sonhos estranhos com uma das estátuas que fica no fundo do quintal.

Como todo romance adolescente – que é a isso que o livro se propõe – antes de começar a aventura todos os personagens envolvidos precisam, necessariamente, estar livres de toda e qualquer supervisão paterna. Isso foi facilmente arranjado quando a irmã mais nova de Max, Irina, sofreu um misterioso acidente doméstico que a deixou em coma obrigando ambos os pais de Max a ficar no hospital com a criança.

A partir desse instante a vida de Max, Roland e Alícia virou uma aventura. Cercados por assombrações, mentiras e histórias demoníacas contadas pelo avô de Roland, a vida dos três nunca mais será a mesma depois daquele verão.

O Livro

O Príncipe da Névoa é a primeira obra escrita por Carlos Ruiz Zafón. Ele a concebeu para participar de um concurso de literatura juvenil, e teve sua primeira publicação em 1993.

Desde aquela época, Zafón já sabia como prender o leitor às páginas de um livro com sua mistura do banal e do sobrenatural.

Mas, como em quase toda história de suspense, o livro tem alguns elementos que entram e saem de cena sem maiores explicações e que não se encaixam perfeitamente com toda a trama.  Em O Príncipe da Névoa, um desses elementos é um gato que foi adotado pela família de Max e que foi o responsável pelo acidente de Irina.

Também não ficou exatamente claro porque foi que Max e sua família acabaram sendo assombrados pelo “Príncipe”. Mesmo assim é um romance precioso e muito bom de ser lido.

Consegui ver o filme enquanto passeava pelas páginas do livro.

Ficha Técnica:
Título: O Príncipe da Névoa
Título Original: El Principe de La Niebla
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Tradução: Eliana Aguiar
Suma de Letras

Leia também:

(Resenha) O Prisioneiro do Céu

(Resenha) A Sombra do Vento

O amor entre dois homens

Bom dia, Leitores Vorazes.

Hoje o LeVo tá quentíssimo.

Tem Eduardo Spohr, Carlos Ruiz Zafón, e oportunidades de publicação pra novos autores.

Enquanto isso, vocês podem ler esse texto perfeito que encontrei no SuperPride: O amor entre dois homens

Sem preconceitos nas letras e sem preconceito na vida. O LeVo apoia toda forma de amor.
 
Toda forma de amor
Boa semana!!!

Oportunidade de publicação para novos autores

A Andross Editora e Eventos Educacionais publica obras de autores em início de carreira.

AndrossEditoraCom 7 projetos em aberto, a Andross recebe material para seleção até dia 30 de abril de 2013.

Não é concurso literário. É uma seleção – ou 7 seleções – de contos, crônicas e poesia .

Seleção de contos tema livreAndrosOSegredoDaCrisalidaAndrossBoleiros

Livre Para Voar: contos e crônicas com temática livre.

O Segredo da Crisálida: antologia de poemas.
Serão aceitos poemas de todas as formas, exceto prosa poética.

Boleiros: contos sobre futebol.
Serão aceitas histórias que tenham a ver com o futebol. Dentro ou fora de campo. Deve-se manter o espírito esportivo: nada de provocações entre times.

AndrossMentesInqueitasandrossSonhosLucidosAndrossAmoresImPossiveis

Mentes Inquietas: contos sobrenaturais, de suspense e de terror

Sonhos Lúcidos: contos fantásticos.
Serão aceitos contos de fantasia, horror e ficção científica.

Amores (Im)Possíveis: contos de amor.
Serão aceitos contos de amor e paixão com finais felizes ou não. Somente serão aceitos contos de amor romântico.

AndrossMascotesMascotes: contos sobre cães, gatos e outros animais de estimação. As histórias devem ser leves e divertidas e focar no animal de estimação.

Especificações:

Numa mesma obra serão aceitos trabalhos de diversos autores;

O envio do texto não implica em participação obrigatória na antologia. O texto enviado estará sujeito a aprovação pelo organizador de cada antologia;

A obra deverá ter menos de 8.000 caracteres, incluindo os espaços;

Cada autor aprovado ficará responsável pela vendagem de 20 exemplares , por obra publicada, para custear as despesas operacionais;

As obras devem estar em língua portuguesa;

Não haverá uma lista oficial de aprovados. Cada autor será contatado individualmente;

A Editora pagará os devidos direitos autorais aos autores publicados.

Todas as antologias serão lançadas no dia 30 de outubro de 2013, durante a 3a. Edição do Evento Literário Livros Em Pauta.

Todos os detalhes no site da editora.

Prorrogado: Concurso Literário Petit 30 Anos

 

Prorrogado até 03/maio/2013.

Aproveita!

 

Saia da Gaveta

LeitorVoraz_Petit30anos

Para comemorar seus 30 anos, e a fim de enriquecer a literatura espírita, a Petit Editora lançou o Concurso Literário Petit 30 Anos: Saia da Gaveta.

O concurso é perfeito para aquele original que você tem guardado há um tempo e não via oportunidade de publicar. As modalidades literárias aceitas no concurso literário são: Romance Espírita (mediúnico ou não); Autoajuda (crescimento pessoal); e, Ensaio Doutrinário.

Inscrições

A inscrição é gratuita e estará aberta de 2 de janeiro de 2013 até 2 de abril de 2013, sem limitação de idade.

Os trabalhos deverão ser inéditos e serão aceitos somente impressos e em língua portuguesa.

A ficha de inscrição poderá ser impressa pelo site da Petit Editora, e os originais deverão ser enviados pelo correio até a data limite, prevalecendo a data de carimbo dos correios.

Premiação:

1o. lugar Romance Espírita: uma viagem com direito a acompanhante para Buenos Aires, Argentina.

1o. lugar Autoajuda: uma viagem com direito a acompanhante para o Resort Porto d’Aldeia em Fortaleza, Ceará.

1. lugar Ensino Doutrinário: uma viagem com direito a acompanhante para o Resort Porto d’Aldeia em Fortaleza, Ceará.

Regulamento completo do Concurso Literário Petit aqui.

(Resenha) O Último Chefão

Mario Puzo, de O Poderoso Chefão, com o que faz melhor: escrever sobre a máfia.

O Último ChefãoO Último Chefão conta a história da última grande família criminosa dos Estados Unidos, chefiada por Domenico Clericuzio.

A fim de garantir o futuro de sua família na legalidade, Don Clericuzio investiu pesado no jogo legalizado em Las Vegas. Seu sonho era deixar a família protegida e bem encaminhada para que, no futuro, não fosse mais necessário cometer crimes e sua família pudesse se integrar na sociedade americana completamente.

Com hotéis em Las Vegas e alguns investimentos em Hollywood, o sonho do velho Don estava perto de se tornar realidade, exceto por um segredo do passado. Afinal, para uma família italiana, o único mandamento mais precioso do que o do silêncio – a omertá – é o da vingança, e Don Clericuzio quase vê seu sonho se desfazer em pedacinhos quando um crime do passado volta a assombrá-lo.

Além do tema vingança, o autor leva a um passeio interessantíssimo sobre como funciona a indústria do cinema em Hollywood. É um romance maduro e mais bem escrito que O Poderoso Chefão.

Dica do LeVo: Não leia O Último Chefão logo depois de ler O Poderoso Chefão. O livro é muito bom mas, quando comparado com O Poderoso parece que falta alguma coisa.

Essa alguma coisa que falta são as cenas fortes e a grande quantidade de ação.

Já que, os Clericuzio, ao contrário dos Corleone, estão tentando deixar a vida de crimes, a narrativa de O Último Chefão tem um ritmo completamente diferente.

 

Ficha Técnica:
Título: O Poderoso Chefão
Título Original: The Last Don
Autor: Mario Puzo
Tradução: Geni Hirata
Editora: Record

 

Leia também:
(Resenha) O Poderoso Chefão

Feira do Livro de Joinville–SC

Começa a 10a. edição do maior evento literário de Santa Catarina: a Feira do Livro de Joinville

Feira do Livro de Joinville 2013 - Entrada Franca

Realizada sempre no mês de abril, a Feira do Livro de Joinville é o maior evento literário do Estado de Santa Catarina.

Em sua décima edição, contará com escritores convidados como Thalita Rebouças; Marina Colasanti; Afonso Romano de Sant’anna; Ignácio Loyola Brandão; Martín Kohan e Pericles Prade.

A entrada é franca.

Programação completa da Feira

Escritores convidados

Contato e endereço da Feira

Contos do Edgar estreia hoje, na Fox

Série baseada na obra de Edgar Allan Poe, produzida pela O 2 Filmes, estreia na Fox com episódio inspirado em Berenice e participação especial de Gaby Amarantos.

contosdoedgar_fox

Estreia hoje na Fox, às 22:30, a série Contos do Edgar. Produzida pela O 2 Filmes – aquela do Fernando Meirelles – a série será baseada nos contos do escritor Edgar Poe.

foxlogo o2filmes

Foram gravados 5 episódios para a primeira temporada. O primeiro será hoje mas, os próximos ainda não têm data definida para exibição.

Como direção de Pedro Morelli (Cidade dos Homens) os episódios foram filmados em São Paulo e se passam no tempo presente. O narrador das histórias será Edgar (Marcus de Andrade).

“Edgar é um homem de 39 anos. Sua vida mudou para pior após o bar em que trabalhava ser fechado pela prefeitura e sua esposa Lenora desaparecer. Um dos seus amigos de infância, Fortunato, dono da dedetizadora “DDT Nunca Mais” aparece para ajudá-lo, dando-lhe um trabalho e deixando que durma no escritório.
A relação entre os dois é cheia de conflitos. Edgar tem certeza que Fortunato está envolvido no desaparecimento de sua esposa e planeja se vingar. Por isso aceita a ajuda do “amigo”. Fortunato, por outro lado, não tem ideia dos planos sinistros de Edgar, que são revelados apenas a um pombo cinzento, em referência à mais aclamada obra de Poe, O Corvo (The Raven) e que simboliza, para Edgar, a morte da sua esposa.”

Fonte: http://www.canalfox.com.br/br/videos/show/8242-contos-do-edgar

O primeiro episódio, Berê, será baseado no conto Berenice. No episódio, a cantora Gaby Amarantos será uma cantora que tem a auto estima abalada por causa de seus dentes feios. Pra resolver o problema de Berê, um primo resolve pagar a troca dos dentes da cantora.

contosdoedgar_GabyAmarantos_Berenice

O primo, no entanto, fica tão encantado com os dentes novos de Berê que eles viram uma obsessão e, quando Berê ganha uma infecção por causa do transplante, ele a impede de tirar os novos dentes.

Estamos doidinhos pra ver.

 

Classificação Indicativa: 16 anos.

Prêmio Off Flip de Literatura 2013

O Prêmio Off Flip de Literatura é parte da programação literária da OFF FLIP e contempla dois gêneros literários: o CONTO e a POESIA.

offflipdeliteratura

Quem pode participar:

Autores maiores de 16 anos de qualquer nacionalidade, residentes no Brasil; autores de países em que se fale o português (Angola, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Moçambique, Portugal…); e brasileiros residentes no exterior.

Inscrições:

  • Valor: R$-75,00
  • Período: 01/março/2013 até 02/maio/2013
  • Os textos devem ser inéditos em qualquer meio e escritos em língua portuguesa.
  • Tema livre.
  • Cada autor poderá enviar um texto por gênero literário.

 

Características dos textos:

Conto: deve-se utilizar fonte Times New Roman, tamanho 12, com espaçamento 1,5 entre  as linhas e margens medindo 3 cm, em papel A4. Não poderão ultrapassar o limite de 4 páginas. 

Poesia: é limitada a 2.000 caracteres podendo ser usado qualquer tipo de espaçamento, fonte ou diagramação. Espaços em branco não são contados como caracteres.

Premiação:

1º lugar:
R$ 3.500,00 (três mil e quinhentos reais)
estadia em Paraty entre 3 e 7 de julho de 2013 [com direito a acompanhante]
kit com livros do Selo OFF FLIP
10 (dez) livros da editora Escrita Fina
passeio de escuna pela baía de Paraty [com direito a acompanhante]
ingressos para mesas de debate da FLIP


2º lugar:
R$ 2.500,00 (dois mil e quinhentos reais)
estadia em Paraty entre 3 e 7 de julho de 2013 [com direito a acompanhante]
kit com livros do Selo OFF FLIP
passeio de escuna pela baía de Paraty [com direito a acompanhante]
ingressos para mesas de debate da FLIP


3º lugar:
R$ 2.000,00 (dois mil reais)
estadia em Paraty entre 3 e 7 de julho de 2013 [com direito a acompanhante]
kit com livros do Selo OFF FLIP
ingressos para mesas de debate da FLIP

Regulamento Completo

Site do Concurso

Leminski derruba 50 Tons de Cinza

A coletânea Toda Poesia, lançada pela Companhia das Letras, assumiu o topo da lista dos mais vendidos pela Livraria Cultura, e acabou com o reinado de 50 Tons de Cinza, que já durava um ano.
 
Coletânea Toda Poesia Companhia das LetrasA semana deu uma excelente notícia para os amantes da boa literatura: a Coletânea Toda Poesia – Paulo Leminski, lançada mês passado pela Companhia das Letras assumiu o primeiro lugar no ranking dos livros mais vendidos da Livraria Cultura.
 
O posto era ocupado há mais de um ano por 50 Tons de Cinza e suas sequências.
 
A coletânea traz – pela primeira vez em um único volume – 600 poemas do poeta curitibano Paulo Leminski, grande nome da literatura nacional da segunda metade do século XX.
 
ciadasletrasO livro foi concebido durante nove meses pela editora Sofia Mariutti da Companhia das Letras, e pela viúva de Leminski, a poetisa Alice Ruiz.
 
Quer um gostinho da obra? Assista o booktrailler com narração de Arnaldo Antunes.
 
 
 
 
 

6o. Concurso de Crônicas ou Histórias Curtas UNISC

Uma trajetória, muitas lembranças

CONCURSOCRONICASHISTORIASCURTASUNISCUNISC

Se você conhece, já estudou, já lecionou ou tem uma história pra contar a respeito da Unisc ou de um de seus campi, esse concurso foi feito pra você.

O 6o. Concurso de Crônicas ou Histórias Curtas “Unisc: uma trajetória e muitas lembranças” tem como objetivo preservar a memória da Universidade de Santa Cruz do Sul e de seus campi.

Tema: o texto deve estar relacionado à UNISC ou à FISC e deve envolver aspectos relacionados à instalação dos campi ou a fatos reais ocorridos em sala de aula, laboratórios, clínicas, restaurantes, auditórios, locais de convivência, excursões, formaturas, DCE, biblioteca, trotes de calouros e até o trajeto para o campi.

Os textos devem ter no mínimo 30 linhas e, no máximo, 80 linhas. Cada participante poderá concorrer com até dois textos.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas de 02 de março de 2013 até 04 de agosto de 2013, pelo site www.concursounisc20anos.unisc.br .

Premiação: A premiação será em dinheiro.

1o. lugar: R$-1.500,00

2o. lugar: R$-800,00

Regulamento Completo

Ficha de Inscrição

(Resenha) O Poderoso Chefão

O Blog Leitor Voraz, se tornou em fevereiro, o feliz proprietário do Box O Poderoso Chefão da Editora Record. Box O Poderoso Chefão

O primeiro livro, de Mario Puzo, é chamado O Poderoso Chefão.

Mario Puzo: O Poderoso ChefãoConta a história da família Corleone. De como Vito Corleone, se tornou Don Corleone – o Padrinho. Sem seguir uma ordem cronológica direta, Mario Puzo consegue prender o leitor contando primeiro cada pequeno evento e depois explicitando os acontecimentos que contribuíram para que esse evento acontecesse.

Também é muito instrutivo sob o ponto de vista cultural porque revela muito sobre a cultura italiana e a importância que se dá às famílias. Nada é mais importante do que a Família. Nem a esposa, que deve ser servil e submissa à vontade de seu marido. Sempre.

Além da trama principal sobre a família Corleone e a missão de Don Corleone para escolher seu sucessor entre os três filhos, o autor ainda consegue prender a atenção do leitor com alguns factoides pitorescos. Entre eles o fato de um dos filhos do Don ter o pênis tão grande que fazia com que sua própria esposa precisasse se preparar mentalmente para ter relações sexuais com o marido. Diz a lenda que até algumas prostitutas bastante experientes recusaram serviço ao ver o tamanho da “ferramenta” do rapaz.

Como toda tampa tem uma panela esperando por ela, é claro que o autor providenciou uma moça muito “larga” que nunca conseguira prazer com homem algum até conhecer o bem dotado filho de Don Corleone.

É um livro muito dinâmico em que muitas histórias acontecem ao mesmo tempo e todas elas se cruzam, girando em torno da família Corleone.

Indicado: para quem gosta de histórias com muita ação e cenas fortes.

Contra indicado: para quaisquer pessoas sensíveis a textos com conteúdo machista e/ou racista. Não que o autor faça qualquer tipo de apologia, mas o livro é ambientado na América de 1945 – 1955. Mesmo sua publicação foi em 1969. Em todo esse período os negros ainda eram fortemente segregados no país.

Pra se ter uma ideia do contexto político e social para os negros nessa década, basta dizer que foi em só 1955 que Rosa Parks se recusou a sentar no lugar reservado aos negros em um ônibus desencadeando um movimento de boicote ao transporte coletivo na cidade de Montgomery e que acabou apresentando ao mundo o jovem Martin Luther King.

Ficha Técnica:
Título:
O Poderoso Chefão
Autor: Mario Puzo
Título Original: The Godfather
Tradução: Carlos Nayfeld

(Resenha) O Prisioneiro do Céu

A continuação de A Sombra do Vento, é, na verdade, o prólogo de uma história que promete ser apaixonante.

prisioneirodoceuAbri O Prisioneiro do Céu de manhã cedo, no sábado, e só consegui largar depois de ler a última linha. Assim como A Sombra do Vento, o Prisioneiro do Céu é apaixonante e sabe como prender o leitor.

O Prisioneiro do Céu,  faz parte do ciclo de romances cuja história gira em torno do Cemitério dos Livros Esquecidos. É a continuação de A Sombra do Vento e conta um pouco de como a vida de Daniel Sempere ficou depois do casamento.

Também revela a origem de Fermin Romero de Torres e conta como foi que ele acabou na vida de Daniel.

A surpresa fica por conta das revelações sobre a mãe de Daniel, Isabella, sobre sua vida e sobre sua morte que, afinal, não foi por cólera como se pensava.

No entanto, ao contrário de A Sombra do Vento, O Prisioneiro deixa algumas pontas soltas, como, por exemplo, a visita de Sofía, prima de Daniel, que vai passar uns dias com o Sr. Sempere. Ela foi introduzida no final da história com o único argumento de ser muito parecida com a mãe de Daniel; além disso, fica-se sabendo que o responsável pela morte de Isabella está procurando por Daniel.

Outra mudança fundamental, que promete agitar no próximo livro da série é que o Cemitério dos Livros Esquecidos terá um novo vigia, em substituição a Isaac que se aposentará. O novo vigia é ninguém mais ninguém menos que Fermin Romero de Torres.

A impressão que se tem é que O Prisioneiro do Céu é apenas uma grande ponte que existe para ligar O Jogo do Anjo e a Sombra do Vento a fim de criar uma quarta história que vai costurar essas pontas soltas e responder a todas as perguntas que o livro deixou no ar.

Aguardamos ansiosamente.

Ficha Técnica:
Título
: O Prisioneiro do Céu
Título Original: El Prisionero del Cielo
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Tradução: Eliana Aguiar
Editora: Suma de Letras / Objetiva

 

Leia Também:


A Sombra do Vento
O Jogo do Anjo

Um Dia: David Nicholls

Um Dia conta uma história que poderia ser a história de qualquer um.
Livro Um DiaUm Dia, conta a história de Emma e Dexter.
 
Eles se encontraram na noite de formatura. Pra ela foi a realização de um sonho já que nutria uma paixonite por Dexter há algum tempo; pra ele, seria apenas mais um casinho passageiro mas, por algum motivo, ele não conseguiu dizer adeus a Emma depois daquela noite.
 
Os dois se tornaram grandes amigos e mantiveram contato quando ele foi viajar e conhecer o mundo.
 
Emma era o tipo intelectual, engajada em causas sociais, preocupada com a política, e que nutria o sonho de se tornar uma escritora. Dexter, era um rapaz de classe média cuja maior ambição da vida era se divertir.
 
David Nicholls narra a história desses dois personagens, através dos anos, sempre no dia 15 de julho,  dia de São Swithin.
 
O dia de São Swithin (St. Swithin’s Day) na Inglaterra, é o dia em que as pessoas observam o tempo porque, tradicionalmente, se diz que o tempo que fizer nesse dia, se repetirá pelos próximos 40 dias.
 
E assim, começa a história de Emma e Dexter no dia 15 de julho de 1988, com todos os seus encontros e desencontros. Nicholls passeia pela vida dos personagens, expondo seu crescimento individual; seus erros e seus acertos; suas mudanças de atitude perante a vida, que fazem parte do amadurecimento; até o momento em que ambos se rendem ao inevitável e ficam juntos.
 
Você leitor agora diz: “como assim, eles ficam juntos? Ninguém avisou que tinha spoiler!”. Emma e Dexter ficam juntos sim, mas esse não é o final da história, afinal, o dia 15 de julho se repete no calendário todos os anos, quer os personagens se casem ou não, então ainda há muita história pra contar.
 
Essa é uma particularidade do livro: ele não tem um final específico. A única pretensão do autor foi contar a história do casal, como quem conta uma anedota numa roda de conversa e, acredite o leitor, cada linha vale a pena ser lida.
 
Outra particularidade do livro é que é muito fácil se colocar no lugar dos personagens. Principalmente pra quem já passou dos 30 anos e compreende como se dá essa passagem da adolescência pra vida adulta. Da troca de valores. Daquele momento inquietante em que a pessoa se pergunta: em que foi que me transformei? ou, o que aconteceu com aquela pessoa que achava que podia mudar o mundo?
 
Ao mesmo tempo que ilustra o conformismo que vem com a idade, também mostra que nunca é tarde pra recomeçar e aprender com os próprios erros.
 
É só uma história de um casal, mas, que história!
 
O livro me lembrou um pouco da música Eduardo e Mônica, do Legião Urbana. Quem aí lembra? Achei esse vídeo no YouTube em um clipe feito com memes.
 
 
 
Ficha Técnica:Título: Um dia
Título Original: One Day
Editora: Intrínseca
Tradução: Claudio Carina

Ler é um santo remédio

Deu na Folha de São Paulo: “médicos da Inglaterra vão prescrever livros, além de medicamentos, para pacientes com ansiedade e depressão.”

mens sana in corporre sano

Primeiro, foi a pesquisa encomendada pela rede de livrarias britânica, Border, que mostrou que ler emagrece; agora, médicos ingleses – em iniciativa apoiada pelo governo – resolveram mandar seus pacientes para a biblioteca a fim de tratar problemas de saúde mental leves e moderados.

No melhor estilo mens sana in corpore sano a entidade Reading Agency, apresentou pesquisas indicando que a leitura pode reduzir os níveis de estresse em até 67% e, ainda, reduz o risco de demência em mais de um terço.

Qualquer livro pode ser usado?

Não. A Reading Agency organizou uma lista com 30 títulos de livros inspiradores que promovem o bem estar do leitor e está aceitando sugestões de títulos para o projeto.

Entre os livros recomendados pela entidade estão O Jardim Secreto, de Frances Hodgson Burnett, e os livros de humor do escritor Bill Bryson.

Frances Hodgson BurnettBill BrysonBill Bryson

Leia matéria completa da Folha aqui.